Câmara de SP

Gislaine Lambert quer defender a educação na Câmara de São Paulo

Pré-candidata a vereadora atuará pela valorização dos professores e o estímulo à cultura de paz nas escolas da rede municipal


26 de maio de 2020

 

Gislaine filiou-se ao PSD há cerca de seis anos e concorreu ao cargo de vereadora pela primeira vez nas eleições de 2016.

 

A defesa de mais investimentos para o setor educacional na cidade de São Paulo é a principal bandeira política da pré-candidata a vereadora pelo PSD Gislaine Lambert de Brito dos Santos. Professora aposentada, ela atuou durante 30 anos na alfabetização de alunos do Ensino Fundamental em escolas da rede municipal, 18 deles como orientadora em salas de leitura. Por conta disso, conhece bem as dificuldades enfrentadas pelos profissionais da área.

“Quero apoiar os professores para que sejam valorizados e tenham melhores condições de trabalho”, afirma a pré-candidata. Moradora da Casa Verde, bairro da Zona Norte da capital paulista, Gislaine também é professora de ioga e pretende utilizar sua experiência para estimular a cultura de paz entre os estudantes.

“Podemos buscar parcerias com fundações que trabalham essa questão da não violência. Acho importantíssimo isso. As escolas estão muito violentas e barulhentas. Os alunos têm muita energia e, através da cultura de paz, podem canalizar essa energia para o autoconhecimento”, explica a pré-candidata.

Outra bandeira defendida por Gislaine é a promoção de campanhas para a doação de órgãos. “Queria que a Prefeitura se envolvesse mais com esse tema, que ainda é considerado tabu. As pessoas quase não falam sobre isso, há muito medo e desconhecimento. Nós poderíamos ter equipes de psicólogos e assistentes sociais que fariam um trabalho de conscientização sobre isso em escolas e postos de saúde, por exemplo.”

PSD

Reconhecida pela atuação como integrante do Conselho Comunitário de Segurança da Casa Norte, Gislaine filiou-se ao PSD há cerca de seis anos e concorreu ao cargo de vereadora pela primeira vez nas eleições de 2016. Em 2018, foi candidata a deputada federal pelo partido.

Apesar de não ter conseguido se eleger nas duas disputas, a experiência valeu como um aprendizado político. Ela destaca como uma de suas principais referências a coordenadora do PSD Mulher, Alda Marco Antonio.

“É um partido que abre as portas e ouve as mulheres, independentemente da área em que atuam. Eu tive uma receptividade incrível aqui e a Alda me inspira muito a lutar pelo meu espaço.”

 Comente!



multimídia
Vídeos
WhatsAppFacebookTwitter