Prefeitura de SP vai fechar serviço de saúde para menores dependentes

Unidade foi criada na gestão do ex-prefeito Gilberto Kassab, mas o atendimento vinha sendo reduzido desde 2013


05 de março de 2015

Unad

A Unad tem 80 leitos; é a única unidade pública municipal que atende adolescentes dependentes de droga no País.

A Prefeitura de São Paulo vai fechar, até o final de março, a única clínica pública especializada no tratamento  de crianças e adolescentes dependentes químicos da cidade. O assunto foi tema de reportagem do jornal SP TV 2ª Edição desta quarta-feira (4), que mostrou as queixas de mães dos menores em tratamento contra a decisão e a opinião de especialistas sobre a questão.

Assista aqui

Em nota, a Secretaria Municipal de Saúde disse que não vai fechar o serviço e sim ampliar a oferta. E que no espaço da Unad vai implantar um Caps – Centro de Atenção Psicossocial, com dez leitos para internação de até 15 dias.

No local, também vão ter duas unidades de acolhimento infantil com 15 vagas cada, onde crianças e adolescentes vão poder ficar – por tempo indeterminado – sob a supervisão de vários profissionais de saúde.

A informação pegou as mães de surpresa. Algumas souberam da notícia nesta semana. O atendimento continua até o fim do mês. Depois ninguém sabe para onde os adolescentes serão direcionados.

“Meu filho quando veio pra cá ele estava morto, porque já é a terceira vez que ele está aqui. Se não fosse o Unad meu filho não estava vivo hoje”, revela uma senhora. “Como é que o governo fecha uma instituição sem comunicar e sem ter um local adequado pra mandar esses jovens?”, afirma a mãe de um paciente internado na unidade.

A Unad tem 80 leitos. Alguns são para adultos, mas o trabalho mais importante é feito com crianças e adolescentes. Esta é a única unidade pública municipal que atende adolescentes dependentes de droga no País.

Entretanto, desde setembro de 2014 poucos conseguem internação no local, apesar da disponibilidade de vagas. Atualmente são apenas 14 pacientes. Uma das alas já foi desativada. São quartos e sala de TV vazios.

Desmonte começou em 2013

Criada na gestão do ex-prefeito Gilberto Kassab, em agosto de 2010, a unidade, então denominada Serviço de Atenção Integral ao Dependente (SAID), foi a primeira clínica pública para tratamento ao dependente. De acordo com o então secretário da Saúde, Januário Montone, o serviço complementaria o trabalho de uma equipe que, desde 2005, havia ampliado a rede de atendimento na área de Saúde Mental, Álcool e Drogas.

No entanto, o Serviço começou a ser desmontado em 2013, quando a nova gestão da Prefeitura anunciou que o SAID passaria a se chamar Unad e passaria a ser administrado pela Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina (SPDM). Antes, o gestor era a Sociedade Hospital Samaritano. Segundo a Secretaria Municipal da Saúde, a mudança traria economia de R$ 8 milhões anuais aos cofres públicos.

Essa economia, porém, representou diminuição de pessoal. Se no convênio de R$ 19 milhões por ano com o Samaritano havia cerca de 170 profissionais no hospital, a nova parceria de R$ 11 milhões passou a empregar 94 pessoas. O valor do contrato abrange, além do pessoal, custos com medicamentos e manutenção do centro médico.

Além disso, o tempo de internação foi alterado. Antes o paciente ficava de dois a três meses no hospital, depois, ficava de 20 a 60 dias internado. De acordo com o psiquiatra Juvenal Marques Neto, assessor da área de saúde mental da Superintendência da Autarquia Hospitalar Municipal da Secretaria da Saúde, a diminuição do tempo não afetaria a qualidade do atendimento.

“A partir de agora, a pessoa vai ser internada com essa nova lógica: pacientes agudos vão desintoxicar e depois vão para os CAPs [Centros de Atenção Psicossocial] e para comunidade terapêutica”, afirmou o especialista. Segundo ele, nas clínicas os pacientes receberão atendimento que antes tinham no Said. “Diminuiu equipe de profissionais lá [na Unad], mas está agregando todos os profissionais da rede do CAPs da Prefeitura e mais as clínicas que temos contrato para tratamento de álcool e drogas.”

 Comente!



multimídia
Vídeos
WhatsAppFacebookTwitter