gestão

Santo André lança plataforma de consulta de dados oficiais do município

Portal SIGA, iniciativa da Unidade de Planejamento e Assuntos Estratégicos, comandada por Police Neto, disponibiliza informações georreferenciadas sobre diversas áreas da cidade


31 de maio de 2021

 

A Prefeitura de Santo André lançou na última quinta-feira (27) o SIGA (Sistema de Informações Geográficas Andreense), plataforma que concentra diversos dados oficiais do município. O objetivo é facilitar o acesso a informações sobre a cidade para o uso da administração pública, centros de pesquisa, universidades, imprensa e população em geral. O portal pode ser acessado pelo endereço siga.santoandre.sp.gov.br.

A medida integra proposta de inovação tecnológica da Unidade de Planejamento e Assuntos Estratégicos, comandada por José Police Neto (PSD), tendo como objetivo facilitar o acesso a dados sobre o município para centros de pesquisa, universidades, empreendedores e público comum, com vistas a subsidiar a gestão, estudos, conhecimento e abertura de negócios com informações oficiais atualizadas. “No Brasil, são aproximadamente 15 municípios que possuem plataforma similar. Destes, 90% compraram a solução. Teremos toda essa dimensão, elaborada 100% por servidores e software livre”, pontuou Police.

“Nosso prefeito Paulo Serra, ao colocar no ar o SIGA, entrega a Santo André uma plataforma de dados e informações georreferenciadas inovadora. São mais de 100 camadas para entendermos todo o funcionamento da cidade. Uma pequena revolução no acesso a informações e dados públicos”, afirmou o superintendente da Unidade de Planejamento e Assuntos Estratégicos.

O pessedista destacou que o papel prioritário da plataforma para a gestão pública é fazer com que os recursos públicos alcancem maior precisão à ponta final. “Os dados são atuais e reais. A administração passará a ser mais assertiva. É instrumento de muito vigor. São informações desde relatórios de impacto de vizinhança, outorga e mapa de calor a cruzamento de dados de programas de assistência social, territorialização dos serviços (ofertados), o que subsidia para implantar um Cras, Caps, por exemplo. Não vai colocar (unidade) fora do epicentro de onde pode fazer a transformação. Trabalhar por evidência. Servirá social e economicamente cada bairro, tanto para o setor público como para o privado, que, normalmente, contrata assessoria para fazer mapeamento”, frisou.

Police considerou que o portal integralmente entregue será “pequena revolução”. “Com três cliques, poderá ter ciência do zoneamento de rua e saber o que pode e o que não pode (no que se refere à legislação).” Sustentou ainda que o custo da ferramenta será ínfimo, restringindo-se à aquisição de novo servidor dedicado ao sistema. “Talvez, no total, seja de R$ 150 mil a R$ 200 mil, mas até agora não se gastou um real.”

O SIGA contém 120 camadas de informação para consulta, divididas em 14 temas. Entre os exemplos de dados estão: localização dos 112 bairros; divisas municipais; população em números por bairro; localização de equipamentos públicos de saúde, educação, lazer, assistência social; coleta de recicláveis; informações sobre uso e ocupação do solo; informações sobre trânsito; entre outras.

Novas camadas já estão em fase final de ajustes para disponibilização como, por exemplo, as informações relativas aos pontos de ônibus. Outras informações serão continuamente disponibilizadas, uma vez que o sistema é dinâmico e está em constante atualização.

A iniciativa conta com a participação de todas as secretarias e autarquias municipais, através do Grupo Gestor da Informação da Prefeitura de Santo André e recebeu apoio da Universidade Federal do ABC, GeoSampa (Mapa Digital da Cidade de São Paulo) e DataGeo (Infraestrutura de Dados Espaciais Ambientais do Estado de SP).

 Comente!



multimídia
Vídeos
WhatsAppFacebookTwitter