Terminal Pinheiros: Ex-secretário diz que obra foi complexa

Elton Santa Fé Zacarias fala sobre as dificuldades enfrentadas durante todo o processo de construção do terminal e ressalta a importância da obra para a população.


23 de agosto de 2013

O ex-secretário municipal de Infraestrutura Urbana e Obras da Prefeitura de São Paulo, Elton Santa Fé Zacarias, foi quem conduziu as obras de toda a operação urbana na qual está inserido o Terminal Pinheiros. Nesta entrevista ele explica as mudanças feitas no projeto original, as medidas adotadas para garantir a segurança das pessoas após o acidente ocorrido em um trecho da Linha 4-Amarela, a preocupação com o acervo arqueológico da cidade e a complexidade que foi realizar obras em uma região de elevado adensamento, como é o caso do Largo da Batata, em Pinheiros.

Os usuários estão satisfeitos com o Terminal Pinheiros, mas reclamam do que consideram demora para o início das operações. O que, de fato, ocorreu secretário?

Elton – Certamente o terminal traz uma série de benefícios tanto para os usuários do sistema de transporte coletivo quanto para quem mora ou trabalha na região. Diversos fatores contribuíram, no entanto, para que esta obra tenha extrapolado o prazo previsto originalmente e a maioria das pessoas não tem ideia da complexidade dessa obra.

Quais foram esses fatores?

Elton – Durante a execução do primeiro projeto de reurbanização do Largo da Batata ocorreu o acidente em um trecho da Linha 4 do Metrô. Essa tragédia nos obrigou a mudar a configuração do terreno do terminal e do sistema viário existente no seu entorno. Tivemos, inclusive, de demolir casas próximas ao local.

Além dessas alterações, o projeto original do terminal também foi ampliado?

Elton – Foi ampliado em 6.000 m², passando de uma área prevista inicialmente de 3.000 m² para 9.000 m². E mais: a interligação com a CPTM e o Metrô, além da própria garagem subterrânea para 430 automóveis, também não constavam do primeiro projeto.

Além das alterações do projeto, o que mais contribuiu para que as obras demorassem mais do que o previsto?

Elton –Pelas características desta obra e da região onde ela está inserida, foram tomados alguns cuidados e medidas adicionais, como uma completa pesquisa geológicaque antecedeu a liberação das frentes de trabalho, bem como o desenvolvimento de diversos projetos de desvio de trânsito, que foram implantados em várias fases para reduzir o impacto na região. Tivemos de fazer uma nova licitação quando chegamos na fase final das obras. Para se ter ideia, considerando os prazos legais e os recursos administrativos e judiciais dos concorrentes, somente essa concorrência demorou quase um ano para ser concluída.

O que mudou com a ampliação da área do terminal?

Elton – O projeto original, de 3.000 m², era bem mais simples, basicamente uma sequência de abrigos com algumas coberturas. O novo projeto, de 9000 m², tem cobertura total e incorporou diversas melhorias, entre as quais sistemas de informação ao usuário, condições normatizadas de acessibilidade, sanitários mais amplos e bicicletário.  Além disso, a garagem subterrânea com 430 vagas possibilita ao usuário a integração com veículos particulares numa região carente de vagas de estacionamento.

Como o novo terminal melhora o dia a dia das pessoas?

Elton – Este novo terminal organiza e melhora a oferta de transporte por meio dos ônibus na região, possibilita a integração com os demais modos de transporte coletivo – Metrô e CPTM – e individuais, melhora as condições de mobilidade de toda a região ao organizar e disciplinar os diversos pontos iniciais e finais que hoje estão espalhados pelo bairro, de forma a liberar ao trânsito parte das vias ocupadas por tais paradas.

Além de ampliar a integração com o Metrô e a CPTM, esse projeto complementa um outro, de requalificação urbanística do Largo da Batata…

Elton – Sim, este terminal está inserido em uma intervenção maior, que compreende os serviços de urbanização, reforma do sistema viário, enterramento de redes aéreas, drenagem, iluminação pública, melhorias e ampliação dos espaços públicos no perímetro da Operação Urbana Faria Lima. Devemos lembrar que a região do Largo da Batata está sendo totalmente revitalizada e requalificada, com melhorias para a população, comércio e serviços da região.

Quais intervenções urbanísticas foram realizadas na região na gestão Kassab?

Elton – Na Faria Lima e Pedroso de Moraes foram construídas uma ciclovia, novas calçadas por toda a avenida, novas praças. Recapeamos o asfalto, enterramos os fios, trocamos e reforçamos o pavimento das principais ruas e avenidas para suportar o tráfego pesado dos ônibus e implantamos faixas exclusivas para eles. Além disso, em complementação aos investimentos na expansão da rede metroviária, a gestão Kassab estimulou o Metrô a estudar a Linha 20, que passaria pelo eixo da avenida Faria Lima, vindo da Lapa.

 

 Comente!



multimídia
Vídeos
WhatsAppFacebookTwitter